Arquivo mensal: junho 2012

Rio +20 e a defesa aérea do Brasil

Há um bom tempo este velho general de pijama não escreve neste espaço. Hoje, lendo uma matéria do portal G1 resolvi sair do meu silêncio.

No ano passado havia dito que a defesa aérea no Brasil era frágil, o fato é que nada mudou. Lendo o texto do G1 resolvi fazer alguns comentários.

O Exército posicionou canhões e lançadores de mísseis em um círculo de 4 km ao redor do Riocentro, principal local de eventos da Rio+20, para abater aeronaves suspeitas em caso de uma possível invasão ao espaço aéreo onde estarão reunidos mais de 130 chefes de Estado, segundo o general Marcio Roland Heise, que comanda artilharia antiaérea brasileira.

O general diz que 300 militares especializados estão trabalhando desde o início da semana para “fazer frente a qualquer tipo de ameaça que tenha a intenção de atacar aquele lugar”

General, com todo o respeito, você sabe bem, assim como eu, que não estamos preparados para a maior parte das ameaças. Nossa defesa aérea é pífia e eu teria vergonha de falar sobre ela. Davi dando pedradas em Golias tinha mais chance que nós neste tipo de embate.

Entre o armamento disponível estão canhões Oerlikon e Fila/Bofors de 40 mm, além de mísseis portáteis russos Igla, capazes de destruir aviões ou helicópteros com apenas um disparo. A quantidade de armas e misseis disponíveis não foi divulgada. Cada míssil custa cerca de US$ 80 mil (R$ 165.600).

É o mesmo material que publicamos ano passado. Sucata da antiga URSS. Canhão usado na segunda guerra mundial e outro dos anos 30. Um país como o Brasil ter este lixo como defesa aérea deveria ser um fato que levasse o general de se envergonhar de mencionar o material de que dispõe.

“Estaremos em locais estratégicos e de forma mais discreta possível, para que possamos camuflar nosso dispositivo. Não há a necessidade das pessoas ou de possíveis inimigos saberem ou identificarem nossas posições”, acrescenta o general, em entrevista ao G1.

Seria para rir se não fosse assunto sério. Meu amigo general, se vier o inimigo mesmo nós estamos lascados.

Tanto os misseis como os canhões são utilizados para alvos de baixa altitude (até 3.000 m) e a até 4 km de distância. Os misseis são do tipo “atira e esquece” – guiados por atração infravermelha e obedecem a uma programação de um software e sincronizado com o movimento do alvo no radar.

Atira e reza é o que o repórter deve ter desejado dizer.

Entre 8 e 23 de junho, o espaço aéreo sobre o Riocentro estará bloqueado pelo Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra). Apenas aeronaves previamente autorizadas podem passar pelo local, como aviões e helicópteros militares, de segurança pública e de serviços médicos.

….  Acima da altitude de 3.000 m, a responsabilidade de abater ou conter possíveis ameaças será de caças da Força Aérea Brasileira, que também estarão posicionados para interceptar aeronaves que se aproximarem do Riocentro.

Pois é. Até porque se tiver algo acima de 3 mil metros as baterias aéreas de que dispomos não dão conta. Quem sabe chamando os índios para atirar tacape nos inimigos.

Uma foto que devia envergonhar os militares sobre o estado da defesa do país

Uma foto que devia envergonhar os militares sobre o estado da defesa do país

Direito à legítima defesa

A mulher de 86 anos, que prefere não se identificar, não se esquece da tentativa de assalto, no sábado à noite. O bandido invadiu um prédio no centro de Caxias do Sul e foi até o segundo andar, onde fica o apartamento dela.
“Entrou aquele moço pela porta, abriu assim. Eu olhei, ‘mas como é que tu entrou aqui?’, pensando que era meu neto. Não mexeu em nada e saiu porta afora e disse ‘te acalma’, disse para mim. Eu olhei para ele e vi que não era o meu neto. Eu fui perto do guarda-roupa e tinha o revólver. Ele disse ‘sua velha não sei o quê, abre esse portão aqui’. ‘Como é que eu vou abrir? Por onde tu entrou, tu vai sair’”, conta.
Mesmo assustada com a situação, a moradora não hesitou em usar a arma. “Pensei: ‘o que eu faço? É eu ou ele’. Pensei nas minhas filhas, nas minhas netas e peguei: ‘agora tu vai’ e ‘pá’. Ele nunca imaginava. Dei um tiro, pegou perto do coração. Depois ele foi indo, levantou o braço, eu disse ‘ele está vivo’. Lembrei dos crimes dele, e disse ‘agora vai outro’ e ‘pá’ e ‘pá’”.
A dona de casa tem dificuldade para caminhar e artrite nas mãos. Diz que nunca tinha atirado antes. A polícia apreendeu o revólver, que é uma herança da família. “Há 50 anos estava ali e nunca tinha usado. Não queria fazer aquilo, mas fui obrigada”.
A moradora foi indiciada por homicídio doloso, quando há intenção de matar, mas ela deverá responder ao inquérito em liberdade. Se a conclusão for que ela agiu em legítima defesa, o processo será arquivado.

Que gasto inútil de dinheiro público! Como se faltasse vagabundo para ser processado resolveram gastar dinheiro investigando uma senhora de 87 anos que se defendeu.

O delegado que cuida do caso ficou surpreso com a reação, por causa da idade da vítima do assalto, mas lembrou que a orientação da polícia é nunca reagir.

Como é? Podendo reagir o cidadão tem o direito de se defender. Se ele discasse 190 e a polícia chegasse logo ele poderia optar por não atirar. Do modo como andam as coisas, os cidadãos de bem deveriam ter o direito de ter as armas que quisessem para se defender.

20120612-062343.jpg