Arquivo da categoria: Política

Serra x Haddad e a incompetência de um “marketeiro”

Há muito tempo não escrevo neste espaço e, apesar dos bons ventos que sopram do STF, confesso que estou meio desanimado com a perspectiva da política no Brasil.

Confirmadas as pesquisas mais recentes, o “micador” de ENEMs, Fernando Haddad, será eleito pelo povo de São Paulo como prefeito.

No meio do julgamento do mensalão, governando o Estado de São Paulo, o PSDB pode sair derrotado da maior cidade do Brasil.

E de quem é a culpa? Em primeiro lugar, caso o desastre se concretize, de Luiz Gonzalez o pluri-derrotado marketeiro de Serra. Em segundo lugar do próprio José Serra que parece estar dando mais ouvidos a Gonzalez que à razão. Em terceiro lugar ao prefeito Kassab, que não teve força para se defender do assalto petralha à capital do estado, parece que estava mais preocupado em rachar o DEM.

Espero que nos poucos dias que faltam Serra consiga virar o jogo, não é impossível, mas é bastante difícil.

 

 

Anúncios

Bolão Corisco – Quem será o próximo ministro?

Opções:

– Haddad: Este já merece há tempos

– Lupi: Outro que já devia ter pedido para sair

– Ana Buarque de Holanda: Que ela ainda está fazendo lá

– Mercadante: Aloprados ??

– Mantega: Se vier crise estamos lascados.

– Pimentel: que ele foi fazer no Apto do Zé Dirceu

Se a oposição tivesse escutado @alvarodias_ o Brasil seria melhor

Existe um político que eu apoio 100%. Gosto do Serra, do Alckmin, abomino Aécio; no entanto se tivesse que escolher quem seria o próximo presidente da república meu voto iria para Álvaro Dias.

Confiram abaixo a razão

Túnel do Tempo – Quarta edição from Alvaro Dias on Vimeo.

Porque o homicídio é direito de alguns no Brasil

O que você diria caso o casal Nardoni, condenado por juri popular a muitos anos de cadeia fizesse sua defesa baseada no seguinte argumento: “Nós atiramos Isabela pela janela porque esta é uma tradição da nossa família”.

Parece loucura? Então imagine que houvesse um organismo vinculado a CNBB que defendesse casais que tem por habito atirarem seus filhos pela janela. Piorou? Então imagine que houvesse vários “acadêmicos” que constituíssem uma carreira, não de pó, dedicada a justificar, sabe-se lá como, o direito de famílias que tem o costume de atirarem seus filhos pela janela de não serem molestada pela justiça daqueles que não comungam destes valores.

Você leitor, que chegou até aqui, pode estar pensando: ‘Corisco enlouqueceu’. Bom, meus amigos, nestes tempos doidos em que vivemos poderia ter sido, mas não enlouqueci. É isto mesmo o que está acontecendo.

Leia o trecho da matéria de hoje da Folha de São Paulo:

Muwaji Suruwahá, 33, fala poucas palavras em português e vive alheia à discussão sobre o infanticídio em aldeias indígenas. Mesmo assim, foi transformada em símbolo da disputa que, há quatro anos, opõe evangélicos e governo no Congresso. Chamado de lei Muwaji, o projeto que responsabiliza agentes públicos pela morte de recém-nascidos é inspirado na história dela e da filha Iganani, 8, que nasceu com paralisia cerebral. Em 2005, a índia deixou sua tribo para evitar que a menina fosse sacrificada, como prevê a tradição de sua comunidade. Elas vivem hoje na sede da ONG Atini, nos arredores de Brasília. A organização foi fundada por Márcia Suzuki, uma missionária metodista que acusa o governo de negligência com a prática.

“A Funai afirma que a interferência é sempre negativa, mesmo que as crianças estejam em risco. Nós acreditamos que respeitar os índios também significa respeitar e proteger a vida deles”, diz. A tese é contestada pela Associação Brasileira de Antropologia, que acusa os ativistas de repetir métodos dos colonizadores portugueses. “Tirar índios de suas aldeias para criá-los sob a ética cristã é uma interferência violenta, não um projeto humanitário”, diz João Pacheco de Oliveira, dirigente da entidade e professor da UFRJ.

A Atini abriga 12 famílias, que recebem mantimentos e cuidados médicos, e diz ser mantida por doações. A ONG nega vinculação a igrejas, embora os evangélicos sejam maioria entre os voluntários. Em 2010, a Funai processou outra entidade evangélica, a Jocum (Jovens Com Uma Missão), pela exibição de um suposto documentário sobre o infanticídio. A Justiça Federal determinou a retirada do vídeo do YouTube por entender que ele incitava o preconceito e causava dano à imagem dos índios sem provar as mortes.

O negrito é meu, mas o texto é o que está acima sem alterações. Então deixa ver se eu entendi: O João Pacheco de Oliveira diz no fundo que impor o dever de não matar os filhos é uma violência para com os índios. Fiquei curioso. De onde virá tanta sabedoria deste rapaz. Fui ver o Curriculum Lattes dele (http://lattes.cnpq.br/3524115532897588), afinal nós pagamos o salário do menino e para minha supresa, na parte de idiomas vemos que ele não domina nenhum. Inglês, escrita pouco; Espanhol: razoavelmente; Francês: razoavelmente; Italiano: Pouco.

Realmente intrigante. O rapaz é diretor do museu nacional, professor titular sustentado com nosso dinheiro e seu inglês no máximo consegue escrever: Mim João, you Jane.

yanomami infanticídio Brasil um país de tolos

Por falar em antropologia, lembram do outro antropólogo que mostrei aqui?

To be continued (traduzindo para o prof. João da UFRJ: haverá uma continuação)

Zé Dirceu – 111 anos de cana – Eu apoio!

Uma campanha para um Brasil melhor.

“As provas coligidas no curso do inquérito e da instrução criminal comprovaram, sem sombra de dúvida, que José Dirceu agiu sempre no comando das ações dos demais integrantes dos núcleos político e operacional do grupo criminoso. Era, enfim, o chefe da quadrilha”.

Por Robergo Gurgel, Procurador Geral da República

Fora Fernando Haddad, és uma vergonha para o Brasil

Há meses temos pedido a cabeça de Fernando Haddad, o inepto ministro da Educação.

Sua predileção por Stalin manifestada na frase dita no Senado mostra que precisa ser defenestrado o quanto antes:

“Há uma diferença entre o Hitler e o Stalin que precisa ser devidamente registrada. Ambos fuzilavam seus inimigos, mas o Stalin lia os livros antes de fuzilá-los. Ele lia os livros, essa é a grande diferença. Estamos vivendo, portanto, uma pequena involução, estamos saindo de uma situação stalinista e agora adotando uma postura mais de viés fascista, que é criticar um livro sem ler”

Stalin é um dos maiores monstros da história. Ousaria dizer que Adolf Hitler era um idiota maníaco perto do monstro Stalin, de qualquer forma ao ver uma involução ao ir de Stalin para Hitler o ministro mostra que é um inepto que já há muito deveria ter levado um pé na parte em que as costas perdem seu nome decente.

Hitler,  Stalin e Fernando HaddadFora Haddad! Tem que ser o grito patriótico dos homens e mulheres de bem deste Brasil

O fim do governo Dilma pode estar próximo

Presidência do Senado

Image by Agência Senado via Flickr

Já mencionamos aqui desde o final do ano passado que há razões de sobra para pedir o Impeachment de Dilma Vana Rousseff, no entanto, grande parte da imprensa, incluindo colunistas sérios tem ignorado ou esquecido estas razões.

Já não é de hoje que a Casa Civil virou a Casa da Sogra, Erenice e antes dela José Dirceu já haviam transformado aquele ministério em um dos lugares mais obscuros da república.

Por falar em Erenice, apesar das berrantes evidências de conduta criminosa que há contra ela e sua família, parece que caiu no esquecimento. Mas deixemos Erenice para outra ocasião.

A bola da vez, ou melhor o rolo da vez atende pelo nome de Antônio Palocci. Palocci, ministro da Economia de Lula, caiu pelo caseirogate, escândalo que apesar de gravíssimo fez deixar cair no esquecimento a acusação que fez Francenildo de que Palocci frequentava a mansão em Brasília onde, além das garotas de Jeany Mary Corner, se fazia abuntante lobby de origem não identificada.

A relação entre Palocci e a palavra lobby vem de 2006, não deveria ser novidade para nenhum jornalista que fosse minimamente alfabetizado.

Mas o que Palocci tem a ver com o fim do governo Dilma? É voz comum, mesmo em bocas de petralhas graduados que Palocci está para Dilma assim como PC está para o senador alagoano. Se Palocci cai, ele pode levar desta vez muito mais gente consigo que apenas um presidente da Caixa Econômica Federal.

Faltam militares com aquilo roxo. Ou a bolinha do bilhão

Todos lembramos do vergonhoso episódio da bolinha de papel protagonizado pela TV de Silvio Santos, que durante o regime militar puxava o saco dos militares com o “A Semana do Presidente” e agora para bajular Dilma, resolveu fazer sua versão de “A semana da terrorista”, mostrando como aqueles terroristas que queriam implantar uma ditadura comunista no Brasil e agora vivem da safadeza do bolsa ditadura eram almas sensíveis.

Ao ver o vídeo que vai abaixo você pode ficar nauseado, a seguir a nausea pode se transformar num perigoso sentimento de fazer justiça.

Estão zombando dos militares ao passar isto na televisão. Colegas de farda: generais, coronéis, majores, a hora é agora, protestem, e se preciso for, defendam o Brasil!

Dead Palocci Walking

Antonio Palocci é carta fora do baralho. Em um país decente talvez já estivesse preso há tempos, no Brasil é ministro. No entanto por mais sem vergonha que seja um país, por mais complacente com corrupção seja um povo, um ministro de estado não pode ter tantas evidencias de malfeitorias e continuar no cargo.

“Dead man walking”, além de um filme famoso, e por sinal muito bom, é uma gíria utilizada por guardas dos corredores da morte dos EUA quando acompanham o prisioneiro para a execução.

Palocci é dead man walking. O texto a seguir é de uma matéria do Estado de São Paulo: “Para evitar qualquer tipo de quebra ilegal do sigilo fiscal de sua empresa, o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, acionou o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab”. Palocci não quer ver seu ISS (ou a ausência dele) aparecer nos jornais, no entanto Kassab não tem nada com isso, e como membro da oposição deveria aproveitar para dizer em público: “A oposição não quebra sigilos, quem faz isso é o PT. Quem vai executar você são seus companheiros de partido”

Corisco defende a saída de Palocci, como defende o impeachment de Dilma Rousseff. Se o Brasil não tivesse traidores na oposição …

Palocci deve sair: Fancenildo contra ataca

A situação de Palocci fica insustentável a cada minuto que passa. Tendo escapado no supremo, volta a ser atormentado pelo caseiro Francenildo que teve a vida destruída por pessoas do governo que supostamente serviam a Palocci.

Hoje, Francenildo disparou:  “Por que ele não explicou de onde veio o dinheiro? Eu tive de explicar”. Justa a pergunta do rapaz. A desconfiança pairou sobre Francenildo por menos de 35 mil reais e há muita gente empenhada em livrar Palocci de responder de onde vieram os 7 milhões de reais.

Como cidadão você tem a obrigação moral de conhecer mais sobre o affair Palloci/Francenildo e recomendo a leitura da excelente matéria da Piauí: http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-25/anais-de-brasilia/o-caseiro (na íntegra)

E você também deve se perguntar: onde está a oposição?