Arquivos do Blog

Porque o Brasil precisa da pena capital

Vejam a foto abaixo.

Violência Idoso Espancado Bahia

Se o Brasil não implantar a pena capital a população partirá para a barbárie. Os cidadãos não conseguem tolerar mais este tipo de violência.

Se seu pai fosse agredido assim o que você faria?

Direito à legítima defesa

A mulher de 86 anos, que prefere não se identificar, não se esquece da tentativa de assalto, no sábado à noite. O bandido invadiu um prédio no centro de Caxias do Sul e foi até o segundo andar, onde fica o apartamento dela.
“Entrou aquele moço pela porta, abriu assim. Eu olhei, ‘mas como é que tu entrou aqui?’, pensando que era meu neto. Não mexeu em nada e saiu porta afora e disse ‘te acalma’, disse para mim. Eu olhei para ele e vi que não era o meu neto. Eu fui perto do guarda-roupa e tinha o revólver. Ele disse ‘sua velha não sei o quê, abre esse portão aqui’. ‘Como é que eu vou abrir? Por onde tu entrou, tu vai sair’”, conta.
Mesmo assustada com a situação, a moradora não hesitou em usar a arma. “Pensei: ‘o que eu faço? É eu ou ele’. Pensei nas minhas filhas, nas minhas netas e peguei: ‘agora tu vai’ e ‘pá’. Ele nunca imaginava. Dei um tiro, pegou perto do coração. Depois ele foi indo, levantou o braço, eu disse ‘ele está vivo’. Lembrei dos crimes dele, e disse ‘agora vai outro’ e ‘pá’ e ‘pá’”.
A dona de casa tem dificuldade para caminhar e artrite nas mãos. Diz que nunca tinha atirado antes. A polícia apreendeu o revólver, que é uma herança da família. “Há 50 anos estava ali e nunca tinha usado. Não queria fazer aquilo, mas fui obrigada”.
A moradora foi indiciada por homicídio doloso, quando há intenção de matar, mas ela deverá responder ao inquérito em liberdade. Se a conclusão for que ela agiu em legítima defesa, o processo será arquivado.

Que gasto inútil de dinheiro público! Como se faltasse vagabundo para ser processado resolveram gastar dinheiro investigando uma senhora de 87 anos que se defendeu.

O delegado que cuida do caso ficou surpreso com a reação, por causa da idade da vítima do assalto, mas lembrou que a orientação da polícia é nunca reagir.

Como é? Podendo reagir o cidadão tem o direito de se defender. Se ele discasse 190 e a polícia chegasse logo ele poderia optar por não atirar. Do modo como andam as coisas, os cidadãos de bem deveriam ter o direito de ter as armas que quisessem para se defender.

20120612-062343.jpg

O assassinato de um trabalhador

Edmilson dos Reis Alves, 59 anos, fazia seu trabalho honesto. Edmilson passou mal e sofreu um acidente. Edmilson não foi socorrido pelos participantes de um baile funk próximo. Edmilson foi linchado.

Leia o que vai abaixo: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/11/covardia-e-pouco-diz-mulher-de-motorista-de-onibus-morto-em-sp.html

A pena de morte, como legítima defesa da sociedade, deveria ser aplicada a estes animais que tiraram a vida deste homem. Também deveria ser aplicada aos políticos corruptos. Acho que a sociedade brasileira precisa de leis duras para ambos os casos.

Mulher do motorista assassinado. Foto do G1

Comentário do leitor Luciano. Desarmamento não resolve

Recebemos o comentário do leitor Luciano no post do General Kutusov e acho que vale a pena destacar o que ele diz:

Concordo com você. A forma como o governo ditatorial do PT usa e abusa da tragédia onde um maníaco assassinou crianças para promover uma cartilha desarmamentista já rejeitada  pela população é CRIMINOSA!  Igualmente criminosa a forma como procuram manipular a opinião pública para anular o resultado do referendo.  Passando em cima da vontade popular como um rolo compressor.  Ninguém menciona o fato de que o monstro atirou contra 10 meninas e 1 menino, claramente um psicopata com forte desvio sexual.  Apenas atacam as armas que ele não poderia ter de qualquer modo, pois era claramente perturbado e abaixo de 25 anos. Nunca conseguiria comprar uma arma no comércio legal. A argumentação dessa gente passa da estupidez .

Perfeito Luciano, argumentação lógica e clara. Pena que o ministro da justiça e os pseudo intelectuerdas não tenham a mesma lucidez que você

A contabilidade da bandidagem precisa fechar

A estratégia dos bandidos parece que foi de evitar o enfrentamento, sensato para quem está em desvantagem tática, e esconder-se para tentar evadir.

O momento agora é crítico e é importante que a contabilidade feche: havia de 600 a 900 bandidos armados no Complexo do Alemão. Precisa sair 600 a 900 bandidos presos ou mortos de lá.

Vamos supor um número alvo de 750. Portanto a matemática é simples:

Bandidos Mortos + Bandidos Presos = 750

O cerco não pode parar, nem se pode decretar vitória se esta conta não fechar. O risco de afrouxar o cerco é transformar o Complexo do Alemão em uma Stalingrado.

Operação no Alemão será de martelo e bigorna

Quando meu amigo Corisco pediu que eu escrevesse neste blog pensava que seria algo esporádico, para ajudar a estruturar uma resistência ao PT. Devido a crise de segurança no Rio de Janeiro tenho que escrever sobre outras coisas e com mais frequência que poderia ou deveria.

Perguntaram hoje por e-mail o que é a operação de martelo e bigorna a que se referiu no Jornal Nacional o ex-Capitão do BOPE Rodrigo Pimentel. Vejam o trecho abaixo

Carla Vilhena: Nós estamos falando de um complexo de favelas enorme, com centenas de milhares de pessoas morando, uma geografia muito complicada, com vielas estreitas onde estes carros blindados talvez não consigam passar. Como agir nessas circunstâncias? A visão que eles têm lá de cima seria um pouco melhor que a da polícia?

Rodrigo Pimentel: A estratégia da polícia foi muito inteligente. A polícia vai realizar uma ação típica de guerra, de martelo e bigorna, de cerco. Ao longo da segunda, terça-feira, a polícia tomou o morro lateral, que é a Vila Cruzeiro, então a polícia hoje tem pleno domínio de uma área gigantesca de vegetação, a Serra da Misericórdia. Estamos falando aqui de uma região maior que a maioria das cidades do Brasil, maior que o município de Volta Redonda, são 400 mil habitantes, uma cidade muito grande. A polícia dominou, tem condição de descer por essa serra tendo o total controle dos traficantes, e tem condição de subir também pelo lado do Complexo do Alemão. Então a polícia está em vantagem tática e a polícia está em condição de realizar o cerco. Os traficantes estão realmente aflitos, desesperados, podem tentar reações ousadas, mas a polícia está preparada para isso.

A estratégia de martelo e bigorna é uma técnica militar empregada em situações de cerco, onde se procura sufocar o inimigo através de um perímetro bem montado e utilizar as tropas de elite para atacar alvos de alto valor.

Se notarem como está feito o perímetro ao redor do Complexo do Alemão, verão que há Paraquedistas, Fuzileiros Navais e Policiais Militares. Os policiais do BOPE e do CORE não estão no cerco pois terão o papel de fazer estes ataques pontuais causando baixa e desgaste no inimigo.

Uma invasão total a noite dificilmente seria produtiva, no entanto uma noite em que os bandidos fiquem sem oportunidade de descansar pode ser bastante produtiva, principalmente se combinado com o combate que cause baixas em pontos estratégicos.

Como dizia o Capitão Nascimento: o conceito de estratégia, do grego …… Aliás o mestre do uso da estratégia de martelo e bigorna foi Alexandre Magno

Uma nota para não perder a viagem: A técnica de martelo e bigorna foi usada com sucesso para derrotar a guerrilha no Araguaia durante o governo militar. O pessoal do PT e do atual governo deve ter um frio na espinha ao ver isto, e eles estão sumidos.

A semana em que o Rio virou Iraque

por Mirtes Guimarães

Imagine uma cidade em que crianças sabem diferenciar o som de uma escopeta, de uma AR-15, de uma pistola, de uma AK-47.

Imagine uma cidade onde uma criança sabe que aquelas luzinhas no céu não são estrelas nem fogos e sim balas traçantes

Imagine uma cidade em que os moradores identificam pelas cores não o time para que torcem e sim as organizações criminosas.

Pois é, esta cidade existe e tem o belo nome de São Sebastião do Rio de Janeiro. Acredito que em cidade alguma do planeta, a não ser as que passaram por guerras e guerrilhas, haja crianças com tanto conhecimento balístico como aqui. Como também acredito que somente em países em guerra é que jornalistas fazem treinamento de como se comportar em uma batalha, com direito a colete e carro blindado.

É claro que tudo isto não acontece da noite por dia. Óbvio que os últimos governantes têm sua parcela de culpa. Como também a tem a sociedade, que pouco se mobiliza, e a infinidade de ongs e de grupos de direitos humanos que insistem em reduzir tudo a uma questão econômica.

Agora esta semana iraquiana pela qual o Rio passou demonstra que a hora é de se definir o que se quer para o futuro. Ou se assume que há uma guerra e a enfrenta com todas as conseqüências, ou o Rio desandará de vez. O carioca já demonstrou por cartas aos jornais, depoimentos, manifestações nas redes sociais, que como Corisco não quer se entregar não. Ele exalta e clama pelo Bope, por todo o aparelhamento policial, pelo Exército, Marinha e Aeronáutica. Só falta o governo demonstrar que também é um Corisco!

Nota do Editor: Mirtes Guimarães é jornalista ,cidadã , moradora e amante do Rio. Além deste texto que ela generosamente escreveu para este blog, publicou hoje também no Veneno Veludo outro texto sobre a violência no Rio. Recomendo!

Promotor Dr. Salvei Lai diz: Ou se entregam ou provavelmente vão morrer

A alternativa que há é se render. A invasão vai começar em breve. Doze a quinze criminosos já se renderam.

Segundo o promotor, quem se render vai ter a vida preservada.

Diz que os bandidos são covardes, mas que os que enfrentarem o BOPE vão morrer. Oportunidade de ouro de se entregar segundo ele.

Sugere na TV um motim dos seguranças dos líderes do tráfico. Melhor os líderes desligarem a TV senão seus guardas vão matá-los para se entregar…

Num cerco quem não se rende em geral morre

As palavras do comando da PM não deixam margem a dúvidas:

Quem quiser se entregar, faça-o agora’, diz PM do Rio sobre Alemão

Num cerco militar o significado disto é claro. Uma vez feita a invasão, a possibilidade de se fazer prisioneiros é muito baixa.

Numa guerrilha urbana, todo homem armado se transforma num alvo legítimo para a força policial.

É importante que os 900 traficantes armados que estão no alemão deponham as armas e se entreguem. Uma vez iniciada a invasão as baixas serão grandes entre os bandidos.

Si vis pacem, para bellum: um napalm metafórico

Ontem confesso que fiquei decepcionado vendo aqueles 250 bandidos armados de fuzis batendo em retirada da Vila Cruzeiro em campo aberto sem que as forças de segurança do Rio de Janeiro tenham feito baixas.

Um colega advogado argumentava que o tiro policial pode ser disparado apenas em legítima defesa, ou em defesa de terceiros.

Acontece que aquela situação é uma situação para a qual não há tipificação no código Penal brasileiro. Aqueles meliantes fugindo com Fuzis automáticos são uma tropa organizada e merecem ser tratados como tal.

Seria feio o GloboCop filmar a força aérea atingindo eles com bombas de napalm? Seria, mas eram 250 a menos na guerra pela ocupação do Complexo do Alemão. Seria feio passar no Jornal Nacional um A29 atirando contra os criminosos? Sim seria, mas muitas vidas de inocentes que serão ceifadas nos próximos dias poderiam ter sido poupadas.

Não defendo um massacre, mas homens armados, se reagrupando para atacar tem que ser tratados como combatentes e ser-lhes oferecida a hipótese da rendição ou da morte.

Durante os últimos 30 anos: de Brizola a Cabral passando por Moreira, Garotinho, Rosinha e Marcelo Alencar não tivemos confrontos e também não tivemos paz.

Agora queremos paz e por isso precisamos nos preparar para a guerra.